domingo, 13 de março de 2011

ausências.

Colocara a velha questão: Qual o tempo certo ? Admitia-se cansada das reviravoltas do destino e, acima de tudo, de sentir o tempo esgotar-se-lhe por entre os dedos. Estranhava a juventude do espelho, quando a alma parecia pesar toneladas.

Sem comentários:

Enviar um comentário