sexta-feira, 19 de março de 2010

Morrer e nascer de novo.

Em qual momento esqueci eu as palavras? Procuro organizar as letras e compôr frases sentidas, mas os sentimentos, afinal, já não sabem transcrever-se no papel. Tudo o que fica são meros pedaços desfocados do que um dia, talvez, se poderia ler nitidamente. Fala-se em expressão, mas tudo aquilo que um dia se expressou foi levado com o vento, tal era leve e inconsistente a areia sobre a qual tudo se escreveu.

Sem comentários:

Enviar um comentário